As Dúvidas Mais Frequentes

Os pacientes que se tratam pela Homeopatia freqüentemente têm uma série de dúvidas e questionamentos sobre a evolução do seu tratamento e sobre os fundamentos desta arte médica de cura. As questões propostas poderão ser ampliadas por todos aqueles que tiverem interesse, os quais deverão encaminhar suas dúvidas, críticas e sugestões para o e-mail: ahomeopatia@hotmail.com

01. Quais são os tipos de produtos utilizados na composição dos medicamentos homeopáticos?
Na preparação dos medicamentos homeopáticos são utilizados substâncias e produtos provenientes dos três reinos da natureza: vegetal, mineral e animal.

02. Quais as vantagens e desvantagens da Homeopatia?
Vantagens:
* É uma forma de tratamento que contempla a totalidade do ser humano e não apenas as doenças isoladamente.
* É um tratamento menos agressivo, que atua através de estímulo energético e não por efeito químico de drogas.
* O custo do tratamento é muito menor, quando comparado aos esquemas terapêuticos convencionais.
* A consulta homeopática, por abordar questões relativas à vida inteira do paciente, é mais humanizada que a grande maioria das consultas com especialistas.
Desvantagens:
* Por ser uma forma terapêutica em que o paciente tem uma co-responsabilidade em seu tratamento, tornando-se necessário haver uma parceria entre médico e paciente, os resultados do tratamento podem demorar mais ou menos tempo para se efetivarem.

03. Quais os tipos de doenças tratadas pela Homeopatia?
A Homeopatia pode se propor a tratar qualquer doença, embora nem todos os doentes se beneficiem integralmente com o tratamento.

04. Como saber se estamos sendo atendidos por um profissional habilitado?
Como em qualquer especialidade médica, os pacientes devem procurar um médico do qual tenham boas referências, através de pessoas que já tenham sido atendidas pelo profissional. Tudo é uma questão de confiança. Existe sempre o médico certo na hora certa, para o paciente certo. É importante que os pacientes procurem se informar através dos vários livros disponíveis (veja abaixo as indicações), para que possam participar ativamente do seu tratamento e buscar um médico que corresponda às suas expectativas.
A Homeopatia é reconhecida como especialidade médica pelo CFM e pela AMB e os médicos, para obterem o título de especialista, devem se submeter à prova do Título da Associação Médica Homeopática Brasileira, filiada à Associação Médica Brasileira.
Os interessados em tratar-se pela Homeopatia podem obter indicação de médicos na APH: Rua Estado de Israel, 639. São Paulo -SP. Fones: (11) 5571-0483, (11) 5573-3946 e (11) 5084-4207.

05. Existem contra-indicações para medicamentos homeopáticos?
Não. O medicamento homeopático deve ser bem indicado por um médico que esteja habilitado e que possa acompanhar a evolução de seus pacientes.

06. Medicamentos homeopáticos podem ser consumidos por qualquer faixa etária?
Sim. Não existe limitação de idade para o tratamento homeopático.

07. O que é Homeopatia?
Homeopatia é uma especialidade médica que trata os pacientes visando à sua totalidade sintomática e que usa a energia dos medicamentos homeopáticos pela Lei dos Semelhantes, para reequilibrar a energia vital dos indivíduos.

08. É verdade que a cânfora anula o efeito da Homeopatia?
R: A cânfora, não se sabe exatamente por que motivo, pode ser usada como antídoto para os efeitos indesejáveis do medicamento homeopático que surgem em pacientes hipersensíveis. Quando o medicamento utilizado foi prescrito de uma forma adequada e de acordo com a Lei dos Semelhantes, a cânfora não interfere no tratamento e seus resultados.

09. Quem está fazendo um tratamento homeopático para um determinado fim pode tomar remédio para outro problema sem relação com aquele que você está tratando com Homeopatia?
Em princípio, o tratamento homeopático, que visa o equilíbrio do indivíduo como um todo, dispensa o uso de outros medicamentos, sejam alopáticos ou homeopáticos. Entretanto, existem situações em que o paciente tem uma doença que provocou uma lesão irreversível em determinado órgão (por exemplo, tiróide ou pâncreas) sendo que, nestes casos, é necessário uma reposição - retirada cirúrgica da tiróide ou dos ovários ou, no diabetes juvenil, em que o pâncreas não produz a quantidade suficiente de insulina, é preciso haver uma reposição.
Por outro lado, durante o tratamento homeopático, a tomada de medicamentos alopáticos não interfere no tratamento e é dispensável. Uma exceção para esta afirmativa são os medicamentos alopáticos que visam tratar sintomas que chamamos de exonerativos, por exemplo, erupções cutâneas, secreções, corrimento vaginal. Nesses casos, a interferência com medicamentos alopáticos geralmente prejudica a boa evolução do tratamento homeopático.

10. Como se processa a especialidade médica dentro da Homeopatia?
A Homeopatia já é uma especialidade médica. Os médicos homeopatas que já são especialistas em determinada área deveriam fazer uma abordagem integral de seus pacientes, dentro de suas especialidades, e prescrever um medicamento único, que contemple a totalidade de seus sintomas.

11. Quais as chances de a doença voltar após o tratamento?
A Homeopatia entende que o indivíduo tem uma doença única, que apenas muda de nome durante sua vida. No processo de reequilíbrio, o organismo tende a voltar a estágios anteriores da vida no caminho da cura. Por esse motivo, voltam sintomas que a pessoa teve anteriormente, geralmente de uma forma rápida e passageira, que nos indicam que o paciente está recuperando sua saúde original.

12. A Homeopatia é um tratamento curativo ou preventivo?
Ambos. A Homeopatia visa à cura tanto das doenças agudas como das doenças crônicas. Sendo uma proposta terapêutica que visa manter o indivíduo num estado de saúde estável, dessa forma é também um tratamento preventivo.

13. O tratamento pela Homeopatia é mais longo do que seria o tratamento com remédios convencionais? Por quê?
Devemos diferenciar o tratamento de uma doença aguda do tratamento de uma doença crônica. Nas doenças agudas, quando o medicamento é bem indicado pela Lei dos Semelhantes, a melhora do paciente ocorre muito mais rapidamente do que com o tratamento por drogas ou medicamentos alopáticos.
No caso das doenças crônicas, como se busca um equilíbrio integral do indivíduo, a melhora é lenta e progressiva; nesses casos, o que é "lento" é a estabilização da energia vital num patamar de equilíbrio integral. Por outro lado, se compararmos o tratamento das doenças crônicas do ponto de vista alopático, que nunca termina e prolonga-se até que o paciente morra - por isso são doenças crônicas , o tratamento homeopático, mesmo que dure dois ou três anos, é muito mais rápido.

14. Eu faço automedicação com gripina e amigdalina (para gripe e dor de garganta). Deveria consultar um médico antes?
Existem várias formas do uso de medicamentos homeopáticos. Os medicamentos citados, na realidade, são o que chamamos de complexos homeopáticos, que têm uma finalidade específica e genérica para qualquer indivíduo. Do ponto de vista da Doutrina Homeopática, que diz que devemos prescrever um único medicamento homeopático individualizado para cada paciente, esta prática não está de acordo com os preceitos homeopáticos. Recomenda-se que aqueles que estiverem interessados num real tratamento homeopático procurem um especialista.

15. Se uma criança ingerir um remédio homeopático, ela corre o risco de intoxicação?
Em geral os indivíduos - seres humanos ou animais - não são muito sensíveis a uma única dose de medicamento homeopático (seja essa dose de um ou de cinqüenta glóbulos). Nos casos de ingestão acidental de uma grande quantidade de medicamento homeopático, a melhor conduta é a observação. Se surgirem sintomas relevantes, no caso de indivíduos hipersensíveis, esses sintomas podem ser antidotados por inalação de um produto que contenha cânfora ou pelo medicamento com o qual o paciente normalmente é medicado.
Em todos os casos recomenda-se que o paciente consulte o médico assistente.

16. Se eu me tratar durante 6 meses e parar, e voltar a tomar remédios homeopáticos um ou dois meses depois, o efeito do tratamento é perdido? Tenho que começar tudo de novo?
Depende do tipo de tratamento homeopático que o paciente está fazendo, isto é: unicista ou pluralista. Recomenda-se que o paciente não interrompa o seu tratamento para que possa equilibrar-se de uma forma mais rápida. A interrupção do tratamento por um ou dois meses, em geral, não afeta a evolução do processo de cura, principalmente quando o paciente está se tratando com um médico da linha unicista, em que as doses são administradas de tempos em tempos.

17. Aquelas "bolinhas", se forem ingeridas em quantidade exagerada, misturando vários tratamentos (por conta própria, sem receita), podem causar reação entre os remédios? Obs.: Algumas farmácias vendem sem receita.
Todo o tratamento deve ser orientado por um médico habilitado e especialista na área. A ingestão de medicamentos homeopáticos indiscriminadamente por um longo tempo pode levar ao aparecimento de muitos sintomas indesejáveis, especialmente em indivíduos hipersensíveis.

18. Florais de Bach são remédios homeopáticos?
Não. A terapia floral, em geral, visa ao tratamento apenas de sintomas do plano emocional, enquanto que o tratamento homeopático visa ao reequilíbrio do organismo como um todo, nos planos físico, mental e emocional.

19. Quem se trata com Homeopatia pode tomar bebida alcoólica?
As pessoas deveriam ter como norma de vida a busca do equilíbrio em tudo. Dessa forma, tudo o que é ingerido, sejam alimentos ou bebidas, se for feito de uma forma parcimoniosa, tudo é permitido: a virtude da temperança.

20. Os remédios homeopáticos têm composição química em seus ingredientes?
O que chamamos de tintura-mãe ou matriz de cada medicamento contém a substância ou produto que lhe deu origem. À medida que o medicamento sofre o processo de dinamização (diluição + sucussão), vão desaparecendo as moléculas e ficando apenas a energia da substância impressa nas moléculas de água e álcool (diluente universal dos medicamentos homeopáticos).

Fontes:
Associação Paulista de Homeopatia
Associação Médica Homeopática Brasileira